icone-blog
Este blog é dedicado aos amantes da língua portuguesa, àqueles que querem sempre aprender mais e aos que querem conhecer melhor nossa empresa. A valorização da língua portuguesa é nosso maior objetivo e nossa maior alegria! Esperamos que façam bom proveito das informações aqui postadas!

A crase, sempre ela...

  25 Junho 2015

O mau uso da crase parece não ter fim... Mas a indignação do mestre Caetano e o sempre exemplar texto do prof. Pasquale Cipro Neto na Folha de S. Paulo são uma luz no fim do túnel.

 

Confira:

 

"Na terça-feira, Caetano Veloso postou nas redes sociais um vídeo no qual corrige uma frase escrita pelo pessoal que trabalha com ele.

O trecho era este: 'Homenagem à Bituca'. Bituca é o apelido do grande Milton Nascimento. No vídeo, Caetano não se limita a dizer que o 'a' não deve receber o acento grave (ou acento indicador de crase). O Mestre dá a explicação completa (e perfeita) da questão.

(...)

No caso da construção corrigida por Caetano ('Homenagem à Bituca'), é óbvio que o acento indicador de crase é mais do que inadequado, já que no trecho só existe um 'a', a preposição 'a', regida pelo substantivo 'homenagem'; por ser substantivo masculino, 'Bituca' obviamente rejeita o artigo feminino."

 

Quer ler o artigo inteiro? Clique aqui.

Publicado em blog

Adequação de linguagem

  11 Outubro 2012

Pasquale Cipro Neto na Folha

"Tecnologia hidrofóbica"

No rádio, uma peça publicitária anuncia características da nova fórmula de uma famosa cola, agora "com tecnologia hidrofóbica". O caro leitor sabe o que pode ser isso? E o grande público? Saberá decifrar de imediato o que vem a ser "hidrofóbica"?

Quando ouvi a tal peça, lembrei-me de um fato que ocorreu comigo e de uma piada. Começo pela piada. Um rapaz de poucas letras foi ao médico, que lhe passou uma receita. Ao sair do consultório, o jovem foi a uma farmácia e comprou o remédio. Em casa, chamou a mulher, também pouco letrada, e mostrou-lhe a caixinha, que foi imediatamente aberta. Os dois se surpreenderam ao ver o remédio, muito "comprido". Era um supositório.

"Como é que isso vai passar na garganta, mulher?", perguntou ele. "Sei não", disse ela. "É melhor voltar lá." O rapaz voltou duas vezes ao consultório. Na primeira, o médico lhe disse que o remédio deveria ser posto "no reto"; na segunda, "no ânus". Quando a mulher lhe sugeriu que voltasse lá pela terceira vez... É claro que vou poupar o respeitável público do que as aspas ocultam. O fato é que a piada mostra muito bem o que ocorre quando o emissor não usa a linguagem adequada ao interlocutor.

O que ocorreu comigo revela procedimento semelhante. Há mais de 20 anos, um dos meus filhos foi submetido a uma cirurgia. Conversei com o anestesista, que me falou do tipo de anestésico etc. No fim da conversa, disse-me ele, ipsis verbis: "Não se preocupe. O seu filho é uma criança eutrófica". O que eu lhe disse em seguida o fez deduzir que eu entendera o que ele dissera. "O senhor é colega?", perguntou-me ele. "Não; sou professor de português."

Ora, um professor de português talvez tenha obrigação de saber o que é "uma criança eutrófica" (bem nutrida, bem alimentada, saudável etc.). "Eutrófica" resulta da soma de dois elementos gregos: "eu-", que significa "bem", "bom", e "trófico/a", que é relativo à nutrição. Mas e quem não é médico ou professor de português? A linguagem empregada por aquele médico é adequada a qualquer interlocutor ou situação?

Para continuar a ler, clique abaixo e acesse o site da Folha:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/pasquale/1167508-tecnologia-hidrofobica.shtml

Publicado em blog

Paralímpico?

  06 Setembro 2012

Invenção? 

Jornal Folha de S. Paulo de hoje traz mais uma brilhante coluna do prof. Pasquele Cipro Neto, sobre a discussão da hora: que negócio é esse de PARALÍMPICO? Não havia uma letra "o" ali no meio? Pois é...

Paralímpico? Haja bobagem e submissão

Pasquale Cipro Neto

O meu querido amigo, vizinho, filho e irmão Márcio Ribeiro me pergunta, com o seu falar italianado e com influência do linguajar da Casa Verde, bairro paulistano em que passou boa parte da vida: "Ma que história é essa de 'paralímpico'? Emburreci, emburrecemos todos?". E não foi só o Márcio. Vários leitores escreveram diretamente para o jornal ou para mim para pedir explicações.

Publicado em blog

O esquecido pronome "cujo"

  01 Dezembro 2011

PASQUALE CIPRO NETO 

Cujo, o famigerado
Além de famigerado (com o sentido usual), o relativo 'cujo' é quase um moribundo, errático, sem sepulcro à vista
Um dos memoráveis contos de "Primeiras Estórias", obra-prima de Guimarães Rosa, é "Famigerado". Um bandidaço ("Damázio, dos Siqueiras") chega a um lugarejo e pede ao médico do local que lhe explique o significado de "famigerado" ("Eu vim perguntar a vosmecê uma opinião sua explicada").
Não vou estragar o prazer de quem ainda não leu o conto. Se é esse o seu caso, caro leitor, é só entrar num dos sites de busca e digitar "famigerado". Permita-me outra sugestão: assista ao belíssimo filme "Outras Histórias", que Pedro Bial dirigiu em 1999. O filme (que está -inteirinho- no YouTube) se baseia na obra quase homônima de Rosa. Um dos contos aproveitados por Bial é justamente "Famigerado". Poucas vezes vi fotografia tão impressionante como a desse filme. A essa beleza se acrescenta o magnífico trabalho dos atores e do diretor.
Pois bem. Ao pé da letra, "famigerado" significa "famoso", "célebre" etc., mas, no uso comum, esse adjetivo significa "tristemente afamado", "que tem má fama".

Publicado em blog

Parônimo, o que é isso?

  17 Novembro 2011

Mais um texto excelente do professor PASQUALE CIPRO NETO:

Os emigrantes e os imigrantes

Um polonês que veio morar no Brasil é emigrante em relação à Polônia e imigrante em relação ao Brasil

"Cerca de 491,6 mil brasileiros vivem no exterior, segundo os Indicadores Sociais Municipais do Censo Demográfico 2010 divulgados pelo IBGE nesta quarta." Assim começa uma matéria publicada ontem na Folha.com. Em seguida, a matéria cita os seis países que, juntos, "abrigam 70% dos emigrantes brasileiros".

Esse dado do IBGE também foi assunto de telejornais. No JH, da Globo, Sandra Annenberg disse, com a clareza de sempre, que "os emigrantes brasileiros...". Apesar disso, houve quem entendesse "imigrantes". Quando abri a caixa postal da coluna, por volta das 17h, encontrei algumas mensagens de leitores que abordavam a questão, tomando como base a leitura de Sandra ("Não seria 'imigrantes brasileiros'?"; "Existe a palavra 'emigrante'?").

Publicado em blog

Mais um excelente texto do professor Pasquale!

PASQUALE CIPRO NETO


"...a turbulência que atravessa os EUA..."


Dia desses, num dos programas de uma das emissoras que carregam o "News" no nome, ouvi a frase que dá título a esta coluna. Na verdade, não se disse "os EUA", e sim "os Estados Unidos".

Como se sabe, em se tratando do padrão formal da língua, a expressão "Os Estados Unidos" (quando sujeito) exige o verbo no plural, já que o artigo ("os") aparece flexionado no plural. Em sendo assim, são do padrão culto construções como "Os Estados Unidos certamente nunca imaginaram que um dia passariam pelo que estão passando" ou "Ao longo da história, os Estados Unidos produziram mais guerras do que qualquer outra coisa".
Na outra ponta, isto é, no uso efetivo da língua, sobretudo na fala, constata-se que não são raras construções como "Os Estados Unidos certamente nunca imaginou que..." ou "Ao longo da história, os Estados Unidos produziu mais guerras do que...", em que o verbo é posto na terceira pessoa do singular. A explicação para esse fato é simples: alguns falantes tendem a entender "os Estados Unidos" como uma unidade, ou seja, como uma coisa só, um país, e aí fazem a concordância com a ideia e não com a forma. Muita gente chega a dizer "o Estados Unidos" (sim, com o artigo no singular), o que evidencia ainda mais a ideia de que se considera o nome próprio "Estados Unidos" como uma unidade, uma coisa só.

Publicado em blog

Cadê o cujo?

  14 Outubro 2011

Mais um excelente texto, cuja leitura vale a pena!

(Ó, colocamos o "cuja" aí, direitinho, como manda o professor!).

PASQUALE CIPRO NETO

'...estava previsto para embarcar...'



O fato é outro: é o cacoete, a expressão viciada, guiada pelo piloto automático, usada irrefletidamente

Neste espaço, já citei mais de uma vez um texto que o grande Otto Lara Resende publicou nesta Folha, em 1992, no qual o mestre mineiro falava do "desaparecimento" do pronome relativo "cujo", que "bateu asas e voou. Virou ave migratória". 
Esse texto chegou a ser mote de uma questão da Unicamp, cujo enunciado começava assim: "O comentário acima, do escritor Otto Lara Resende, refere-se ao fato de que o uso do pronome relativo 'cujo' é cada vez menos frequente. Isso faz com que os falantes, ao tentarem utilizar esse pronome na escrita, construam sequências sintáticas que levam a interpretações estranhas. Veja o exemplo seguinte: 'O povo não só quer o impeachment desse aventureiro chamado Collor, como o confisco dos bens nada honestos do sr. Paulo Cesar Farias e companhia. E que a esse PFL e ao Brizola (cuja ficha de filiação ao PDT já rasguei) reste a vingança do povo...'". 
O manifesto é de um leitor da Folha e foi publicado no Painel do Leitor, de 30/07/92. A levarmos ao pé da letra o que ele afirma, a ficha de filiação de Leonel Brizola ao PDT foi rasgada por... Por esse leitor, uai! 

Publicado em blog

Paralelismo

  09 Setembro 2011

Coluna do Professor Pasquale Cipro Neto na Folha


PASQUALE CIPRO NETO

'...preferem português à matemática'



Diversos meios de comunicação mostraram que também tropeçam no trato com a língua



HÁ DUAS SEMANAS, foram divulgados novos dados sobre o desempenho dos nossos estudantes. Os resultados foram comentados à exaustão nos jornais, sites etc. Solidários, diversos meios de comunicação se aliaram aos alunos, ou seja, demonstraram que também tropeçam no trato com a língua.
Comecemos por um título (de um site), que terminava assim: "...preferem português à matemática".
O problema não está no verbo "preferir", que no registro culto é usado com a preposição "a" ("Prefiro um asno que me carregue a um cavalo que me derrube"). No título, usou-se a construção formal, mas...
Mas o velho hábito de eliminar dos títulos os artigos definidos talvez tenha feito o redator se perder. Explico: para manter a simetria, quem escreve "preferem português" deve terminar a construção com "a matemática" ("...preferem português a matemática"). Por quê? Porque "à" resulta de "a" + "a", em que o segundo "a" (nesse caso) é artigo. Ora, se não se usou artigo antes de "português", ou seja, se não se escreveu "preferem o português", por que é que se vai empregar artigo antes de "matemática"?

Publicado em blog

Conjugações difíceis

  07 Julho 2011

PASQUALE CIPRO NETO 

Um verbo enjoadinho 


Formas como "requisesse" ou "requiseram" não encontram abrigo no padrão formal da língua


O QUE NÃO FALTA na caixa postal da coluna é pergunta sobre a conjugação de verbos complicados. A lista é grandinha e inclui "preciosidades" como "adequar", "precaver", "reaver", "requerer", "falir", "prover", "prever", "provir", "intervir", "satisfazer", "ver", "entreter" etc.
Embora muitos desses verbos sejam conjugados no dia a dia e em muitos escritos como se fossem regulares, nas modalidades formais da língua suas singularidades ou irregularidades continuam prevalecendo. Em outras palavras, isso significa que, ainda que frequentemente se ouçam e se leiam construções como "Se o ministro intervir" ou "Se ninguém se opor", gramáticas, dicionários, manuais e guias de uso continuam indicando como cultas as construções "Se o ministro intervier" e "Se ninguém se opuser"...

Publicado em blog

Traduções infelizes

  26 Junho 2011

Mais uma ótima coluna do professor Pasquale Cipro Neto, no jornal Folha de S. Paulo de 23 de junho!


PASQUALE CIPRO NETO

Traduções infelizes, engraçadas...

Muitas traduções infelizes decorrem da incúria ou da perigosa semelhança entre termos de línguas distintas

O TEXTO DA SEMANA PASSADA levou muita gente a me enviar deliciosas colaborações para engordar a lista de bizarrices causadas pelo uso "esquisito" de certos termos estrangeiros. Separei dois dos casos mais apetitosos enviados pelos leitores.
Um deles é "tela touch screen", que aparece em muitos anúncios de celulares, computadores etc. Salvo engano, "screen" significa "tela", de modo que... Bem, como se vê, parece que o "frango chicken" não está sozinho na parada. Além da companhia da "tela touch screen", nosso pleonástico galináceo tem a do "wireless sem fio", expressão citada por vários leitores. Um deles chegou a me mandar cópia de um anúncio de uma loja de uma capital brasileira em que se lê a incrível maravilha.
A tradutora Lenke Peres (autora do conceituado "Dicionário de Termos de Negócios" -português-inglês/inglês-português) me enviou uma boa lista de "traduções" equivocadas que já ganharam nossas ruas e páginas. Uma dessas "traduções" é "planta", já usada entre nós com o sentido de "instalação", "fábrica" ou "unidade industrial" ("Na planta de Campinas, a empresa produz..."). Trata-se da "tradução" literal de "plant", que em inglês tem esse sentido, entre outros. Embora já seja muito usada por aqui, a forma "planta" só aparece com esse sentido no "Aurélio". O "Houaiss" e o "Aulete" ainda não a registram.
Outra pérola da lista de Lenke Peres é "apólice compreensiva", expressão que as seguradoras de Pindorama (com a devida licença de Elio Gaspari) empregam com o sentido de "apólice abrangente" ("total", "completa"). A bobagem decorre de uma tradução obtusa (do inglês "comprehensive policy"). Lenke brinca e faz um delicioso trocadilho ("embora muitas seguradoras mostrem que suas apólices não são tão compreensivas assim na hora de pagar as indenizações").
Read MoreSe você quiser ver mais exemplos da lista da tradutora Lenke Peres, procure na internet o texto "Traduttori traditori" (que significa "Tradutores traidores" -a expressão original, italiana, costuma vir no singular, mas Lenke a pôs no plural justamente para se referir ao que andam fazendo certos "tradutores"). Vale a pena ler o texto, claro e muito bem escrito. Bem, antes que me esqueça, lá vai o meu "obrigado" a Lenke pela gentil mensagem que me enviou. (Continua)

Publicado em blog

Saiba mais

icone-blogBlog
Dicas, artigos e informações que possam melhorar as ferramentas de comunicação!

icone-agendaAgenda
Fique por dentro do que vai rolar: eventos, cursos e muito mais.

Fale conosco

Entre em contato conosco:
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone: São Paulo/SP (11) 3673.1570 

Para mais informações ou para enviar uma mensagem, clique aqui.