icone-blog
Este blog é dedicado aos amantes da língua portuguesa, àqueles que querem sempre aprender mais e aos que querem conhecer melhor nossa empresa. A valorização da língua portuguesa é nosso maior objetivo e nossa maior alegria! Esperamos que façam bom proveito das informações aqui postadas!

Verbos: particípio

  11 Novembro 2010
PASQUALE CIPRO NETO

Por falar em particípio...


Algumas gramáticas apresentam orientação diferente da clássica quando elencam os duplos particípios

NA SEMANA PASSADA, para explicar a questão do uso das formas "presidente" e "presidenta", citei a expressão "particípio presente". Afirmei que palavras terminadas em "-nte", como "presidente", "agente", "pedinte" etc., vêm do particípio presente de verbos latinos e traduzem a noção de agente de determinado processo. O presidente, por exemplo, é quem preside, o pedinte é quem pede, o viajante é quem viaja e assim por diante.Pois a expressão "particípio presente" fez muita gente lembrar-se de outra expressão, o "particípio passado". Um leitor disse o seguinte: "Era por isso que nos diziam que "beijado" é o "particípio passado" de "beijar'? E por que não nos ensinavam o que é o particípio presente?".Pois é. O particípio passado, hoje chamado simplesmente de particípio, é uma das formas nominais do verbo (gerúndio, infinitivo e particípio). Sabemos que a forma regular do particípio dos verbos terminados em "ar" termina em "ado" (beijado, estudado, transportado etc.) e a dos verbos terminados em "er" ou "ir" termina em "ido" (bebido, esquecido, permitido, dividido, iludido).Sabemos também que a maior parte dos verbos apresenta apenas o particípio regular (beijado, permitido) e que alguns verbos apresentam apenas o particípio irregular (feito, escrito, aberto). Por fim, sabemos que há verbos que apresentam duplo particípio (salvado/salvo, prendido/preso, extinguido/extinto). E é aí que a roda começa a pegar. Quando usar este ou aquele?As gramáticas e os dicionários costumam simplificar a questão ao afirmar que, quando o auxiliar é "ter" ou "haver", emprega-se a forma regular do particípio (tinha/havia salvado, tinha/havia extinguido) e que, quando o auxiliar é "ser" ou "estar", emprega-se o particípio irregular (foi/está salvo, foi/está preso, foi/ está extinto).Até aí, tudo bem. Na verdade, tudo mais ou menos bem. Ninguém será perturbado se seguir essa "regra", mas não se pode negar que o uso já consagrou o emprego de formas irregulares do particípio, como "aceito" e "entregue", com os auxiliares "ter" e "haver" (tinha/havia aceito/entregue). A seguir ao pé da letra a "regra" clássica, obter-se-iam as formas tinha/havia aceitado e tinha/havia entregado.Algumas gramáticas tentam apresentar orientação diferente da clássica ao elencar os duplos particípios e seus usos. Uma delas é a de Evanildo Bechara. A tarefa é delicada, mas tem o mérito de fugir da obviedade e levar em conta o que efetivamente se usa no idioma.Uma coisa é clara, porém: partir da ideia (fútil e demagógica) de que vale tudo desemboca no caricato ou esquizofrênico, visto que nenhum dos defensores do "está bom de qualquer jeito" teria peito para escrever algo como "A polícia tinha preso todos os bandidos" ou "O delegado tinha solto os suspeitos".Um caso que merece destaque é o de formas como "Tinha chego", "Tinha compro", cada vez mais comuns no linguajar de pessoas de pouca escolaridade. De onde vêm essas formas? A explicação parece simples: como a forma irregular dos particípios duplos muitas vezes coincide com a primeira pessoa do singular do presente do indicativo (caso de "trago", "salvo" etc.), o falante, por associação, acaba usando o mesmo processo para chegar a "tinha chego", "tinha compro", que já ouvi muitas vezes e que já foram objeto de perguntas em muitas das minhas palestras Brasil afora.Que fique claro: formas como "tinha aceito" e "tinha entregue" já frequentam os registros formais ou semiformais, o que não ocorre com "tinha chego", "tinha trago", "tinha compro" ou "tinha falo". É isso.

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
..........................Publicado no jornal Folha de S. Paulo em 11 de novembro de 2010.

Itens relacionados (por tag)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

7 comentários

  • Link do comentário Brigida Brigida 05 Maio 2014

    Piece of writing writing is also a fun, if you be acquainted
    with then you can write or else it is difficult to write.

  • Link do comentário Dorthy Dorthy 04 Maio 2014

    Hmm is anyone else encountering problems with the images on this
    blog loading? I'm trying to determine if its a problem on my end or
    if it's the blog. Any feedback would be greatly appreciated.

  • Link do comentário Kerrie Kerrie 02 Maio 2014

    I think the admin of this web page is actually working hard in
    support of his web site, for the reason that here every information is
    quality based stuff.

  • Link do comentário Selina Selina 29 Abril 2014

    I am not sure where you're getting your info,
    but good topic. I needs to spend some time learning much more or understanding more.
    Thanks for great information I was looking for this info
    for my mission.

  • Link do comentário Sezrimox Sezrimox 23 Abril 2014

    cheap levitra generic online
    generic levitra
    levitra priser
    - generic levitra

  • Link do comentário Lucretia Lucretia 18 Abril 2014

    Howdy! I could have sworn I've been to this blog before but after
    reading through some of the post I realized it's new to me.
    Nonetheless, I'm definitely happy I found it and I'll be
    bookmarking and checking back frequently!

  • Link do comentário Hidemyass Pro Hidemyass Pro 11 Março 2014

    Logan February 9, 2014 at 12:44 pm

Saiba mais

icone-blogBlog
Dicas, artigos e informações que possam melhorar as ferramentas de comunicação!

icone-agendaAgenda
Fique por dentro do que vai rolar: eventos, cursos e muito mais.

Fale conosco

Entre em contato conosco:
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone: São Paulo/SP (11) 3673.1570 

Para mais informações ou para enviar uma mensagem, clique aqui.